COLUNA DE SEXTA-FEIRA
17-Abr-2014
FPM Fura Previsão

fpm_queda.jpg
O segundo repasse de abril do Fundo de Participação dos Municípios, que caiu ontem na conta das prefeituras, teve um aumento real de 15%, comparando com o decêndio transferido no ano passado. Porém, é 19% abaixo do que foi estimado no inicio do mês por fontes da Secretaria Nacional da Receita Federal. O montante repassado ontem,  já incluída a retenção do  Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), foi de R$ 623.630.696,14.
 
O acumulado dos 1.º e 2.º decêndios de abril de 2014 soma R$ 3,697 bilhões. No mesmo período de 2013, o acumulado ficou em R$ 3,335 bilhões. Em termos reais, descontanda a inflação, abril acumula um aumento de 10,9% em relação ao ano passado. A previsão para o 3.º decêndio de abril é de R$ 2,112 bilhões, em valores brutos - incluindo a retenção do Fundeb, de acordo com Receita Federal do Brasil. Por ser estimativa,  este valor está sujeito a alterações até o último repasse, como a que ocorreu agora com relação à projeção do segundo decênio.
 
Com relação a repasses federais, os prefeitos tiveram uma folga este mês, com a liberação da cota extra depositada no dia 8 de abril, dentro dos  R$ 3 bilhões prometidos pela presidente Dilma. Com relação ao FPM, abril e maio, historicamente, apresenta crescimento, o que não acontece de junho a  outubro.
 

COBRANÇA DURA
 
Durante audiência pública da Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento  Regional e da Amazônia, na terça-feira, que teve como tema a atuação de  órgãos federais na ajuda à população do Nordeste, que enfrenta estiagem pelo  terceiro ano consecutivo, deputado Wilson Filho (PTB-PB) criticou o descaso com o  que ele chamou de "caos total" na região. Disse  que a Comissão vai cobrar e monitorar as ações que foram apresentadas pelos representantes dos órgãos públicos presentes na audiência.
 
E lembrou a discriminação: "É muito visível, por exemplo, quando São Paulo entrou em uma realidade bem próxima. De forma rapidíssima o governo federal e os órgãos  competentes deram essa resposta”, afirmou.

GUERRA  SANTA
 
A paz da Semana Santa foi quebrada, em Patos, pela polêmica envolvendo o bispo, Dom Heraldo Bispo da Silva, e os vereadores da Câmara Municipal da cidade. Dom Heraldo aproveitou a homilia da Missa de Ramos na Catedral de Nossa Senhora da Guia e bateu forte nos políticos. Os vereadores vestiram a carapuça e um deles, Ivanes Lacerda, chegou a indagar: “Será que se fossemos  13 padres resolveríamos os problemas de Patos?”. A maioria da população está com a Igreja. 

IMPOSTÔMETRO
 
A gana arrecadadora do Governo anda em plena forma. O impostômetro ultrapassou a marca de R$ 500 bilhões. No ano passado, esse valor foi atingido em 16 de abril. O valor é uma estimativa do total de impostos pagos pelos brasileiros desde 1º de janeiro. Os cálculos consideram impostos, taxas e contribuições para os governos federal e  estaduais e municipais. 

NORMATIZADA
 
Para quem gosta de viver reformando apartamentos, pouco se lixando para a estrutura do prédio, um lembrete. Desde ontem entrou em vigor a Norma para Reformas em Edificações, da ABNT. O documento prevê quais itens relacionados à reformas e intervenções de um apartamento que devem contar com a avaliação prévia de um engenheiro e/ou arquiteto e ser sinalizada ao síndico antes do seu início. Encarece a reforma,  mas oferece garantia.

BOLA FORA
 
Lá a Fifa não manda. Ontem a justiça argentina decretou  que os dados pessoais de torcedores não podem ser cedidos ao governo brasileiro. A Associação de Torcidas Unidas (HUA) apresentou um pedido de “inconstitucionalidade” que anularia o acordo entre os governos brasileiros e argentinos que prevê recursos de inteligência para mapear os torcedores argentinos violentos e impedir a entrada deles nos estádios durante os jogos da Copa do Mundo.

FORA DO AR
 
A Rádio Comunitária Princesa do Sertão, em Patos, pertencente ao grupo político do ex-prefeito do ex-prefeito Dinaldo Wanderley, foi fechada ontem por determinação  por determinação da Agência Nacional de Telecomunicações, sem direito a comunicado aos ouvintes. A emissora fazia criticas à  atual administração da cidade, que tem parentes fortes e influentes em Brasília, onde, coincidentemente...é berço da Anatel.

LUZ APAGOU
 
Em meio a tanta crise, a questão está passando sem ninguém notar, mas vale a penas registrar. O Ministério de Minas e Energia não tem mais dinheiro para o programa "Luz Para Todos". O programa está parado e não tem data certa para retornar, o que vai depender de empréstimo na Caixa Econômica Federal. Os recursos que tocavam o programa eram do fundo formado pela tarifa de energia que, com  a redução desse fundo, se exauriram. 


Seja o primeiro a comentar este artigo.

Atualizado em ( 18-Abr-2014 )
 
Ficha Limpa não deveria retroagir, diz presidente do TSE
17-Abr-2014
marcos aurelio.jpg
Prestes a deixar o Tribunal Superior Eleitoral, o presidente da Corte, ministro Marco Aurélio Mello (foto), vê exageros na aplicação da Lei da Ficha Limpa, que barra a candidatura de políticos com condenação por órgãos colegiados, com contas rejeitadas ou que renunciaram ao mandato para escapar da cassação. Na avaliação do ministro, a lei não deveria punir candidatos por renúncia ou condenação anterior à sua criação, em 2010.
 
“Pensa-se em consertar o Brasil, com ‘c’ e com ‘s’, não de forma prospectiva, mas considerando-se o passado. Ou seja, toda lei é editada para apanhar atos e fatos futuros. Passaram a aplicar a Lei da Ficha Limpa a atos e fatos passados, inclusive não observando decisões da própria Justiça eleitoral”, disse Marco Aurélio.
 
O ministro não conduzirá o processo eleitoral deste ano, quando a lei será aplicada pela segunda vez – a primeira nas eleições gerais. Segundo integrante mais antigo do Supremo Tribunal Federal (STF), onde está desde 1990, ele passará o comando do TSE ao seu colega Dias Toffoli no próximo dia 13. Esta é a terceira passagem de Marco Aurélio pela presidência da Justiça Eleitoral.
 
Em março de 2011, eles deram dois dos seis votos que determinaram à Ficha Limpa não valer para as eleições de 2010. Na ocasião, prevaleceu o entendimento de que as novas regras de inelegibilidade deveriam respeitar o princípio da anualidade, que prevê que leis que alteram o processo eleitoral só passaram a valer um ano após a sua publicação. A Ficha Limpa foi aprovada pelo Congresso em 2010, na forma de projeto de iniciativa popular, com o apoio de mais de 1,5 milhão de assinaturas.

Para Marco Aurélio, a atual legislação brasileira é suficiente para que o país tenha um quadro melhor na política. “Não precisamos de novas leis no Brasil, nós precisamos de homens que respeitem as existentes e, principalmente, de homens públicos”, considera. O grande problema, na opinião dele, é a “miopia” e a falta de consciência do eleitor brasileiro. “A sociedade não é vítima. É autora, considerados os maus políticos que temos. Foi ela que os colocou nos cargos”, critica. “O eleitor se deixa levar por aspectos que, às vezes, são apenas de fachada. Não busca saber a vida pregressa administrativa do candidato”, acrescenta.
 
Como superar esse quadro? Na visão de Marco Aurélio, há apenas uma saída: investimento maciço em educação. Uma tarefa que, reconhece ele, demandará anos para produzir efeitos. “Não podemos, de um dia para o outro, tornar o Brasil uma Suécia. Mas precisamos avançar, cuidar da educação do povo brasileiro.”
Sem justiçamentos
 
Crítico da prerrogativa que garante a parlamentares e outras autoridades federais serem investigados e julgados apenas no Supremo, Marco Aurélio defende que os congressistas se submetam, como qualquer cidadão, às instâncias inferiores da Justiça. O ministro acredita que o STF tem pouco a fazer para acelerar o julgamento de deputados e senadores, porque o tribunal tem outras demandas e precisa respeitar o direito de defesa dos acusados.
 
“Na esfera criminal, nós não podemos partir para o justiçamento. Então vamos construir um paredão na Praça dos Três Poderes e fuzilar quem tenha claudicado na arte de proceder na vida gregária. O processo tem de ser construído, há uma legislação a ser respeitada e que encerra o direito de defesa, que é um direito constitucional. Não dá pra levar de cambulhada. Não dá para partir para o justiçamento.”
 
Marco Aurélio critica a campanha antecipada dos políticos. Afirma que os adversários não se denunciam porque todo mundo faz. E o Ministério Público chega a ser omisso. “O Ministério Público Eleitoral, às vezes, não atua. Deveria atuar.”
 
Quais são os maiores problemas, no campo eleitoral, para que as eleições permitam a sociedade brasileira ter uma representação digna?
 
Marco Aurélio Mello – Nós temos uma legislação, a meu ver, suficiente. Principalmente considerando-se a Lei Complementar 135, que é a Lei das Inelegibilidades. Mas acontece que o ator principal das eleições ainda não se conscientizou sobre a importância do voto. A sociedade não é vítima. É autora, considerados os maus políticos que temos. Foi ela que os colocou nos cargos. É hora de o eleitor perceber a importância do voto, perceber que, embora uno, ele se soma a tantos outros, implica a escolha do representante que praticará atos que repercutirão na sua vida. Então, que ele faça uma triagem. Para isso, tem o horário de propaganda eleitoral.
 
 - O tempo para as propagandas eleitorais no Brasil não é muito curto?
 
MAM - Está na hora de rever, porque quando a lei é muito limitativa, ela deixa de ser observada. O horário da propaganda partidária hoje serve para alavancar pré-candidaturas. Em vez de se ressaltarem o projeto, a concepção e a ideologia do partido, ressalta-se o perfil deste ou daquele correligionário, que sabidamente é pré-candidato. E acontece algo que se torna um ciclo vicioso. Como todos os partidos deixam de observar a regra, nenhum deles representa contra o outro. Todos colocam as barbas de molho. E o Ministério Público Eleitoral, às vezes, não atua. Deveria atuar.
 
O desvirtuamento da propaganda partidária e a não observância da Lei 9096/95 (Lei dos Partidos Políticos) são flagrantes e escancarados. Nada acontece. Ainda temos uma jurisprudência, para mim perniciosa, que somente se pode considerar uma investigação judicial eleitoral para efeito de cassação de registro, para efeito de cassação da diplomação ou para efeito de cassação do mandato, o período posterior à data limite para o registro. Ou seja, o período em que já se tem formalmente o candidato. Como se apagasse esse período imediatamente anterior, que serve muitas vezes para azeitar a candidatura.
 
- O Congresso em Foco já produziu levantamentos que mostram que, no Brasil, três fatores definem uma eleição: dinheiro, sobrenome e a força da máquina. Isso não é produto de uma legislação absolutamente falha e carente de uma reformulação radical?
 
MAM - Não. O que nós constatamos é um estágio cultural. Isso decorre da percepção míope do eleitor. O eleitor se deixa levar por aspectos que, às vezes, são apenas de fachada. Não busca saber a vida pregressa administrativa de quem tenta a reeleição. Não busca saber a vida pregressa, anterior, de quem se apresenta pela primeira vez na disputa para assumir um cargo. O eleitor toma o voto como algo enfadonho, cumprindo uma obrigação, já que, no Brasil, o voto é obrigatório para aqueles que têm idade superior aos 18 anos e ainda não chegaram aos 70 anos.
 
- O senhor defende o fim da obrigatoriedade do voto?
 
MAM - Sou favorável ao voto facultativo, sou favorável ao financiamento estritamente público de campanha, e não misto público e privado. Digo que o financiamento privado sai muito caro, muito caro mesmo, para a sociedade. Quando uma empresa financia uma candidatura, ele geralmente adota a prática própria do jogo do bicho, cerca por todos os lados e, posteriormente, vai querer o troco. Esse troco é péssimo em termos da independência que se almeja, considerada a atuação do parlamentar, do chefe do Executivo municipal, estadual ou mesmo federal. Acaba havendo um atrelamento nefasto para a sociedade.
 
- Como é que muda essa situação cultural?
 
MAM - Com a educação. E nós continuamos engatinhando no campo da educação. Ainda não demos à educação a ênfase que precisaríamos dar em termos de recursos. Acabamos preferindo partir para o assistencialismo, em vez de viabilizarmos a formação dos jovens para que, realmente, entrem no mercado de trabalho, investindo no próprio desenvolvimento para termos um número maior de empregos. Parte-se simplesmente para o assistencialismo, criando uma casta de acomodados.
 
- O senhor se refere ao Bolsa Família?
 
MAM - Falo do assistencialismo em geral, o que inclui o Bolsa Família. De início, a assistência, inclusive com bolsa, foi importante. Mas não pode ser a tônica. Não podemos ter os recursos nacionais dirigidos, faltando recursos para os serviços essenciais, ao assistencialismo com as distorções que ocorrem de pessoas estarem recebendo bolsas sem precisar, para o próprio sustento, dessas bolsas.
 
- Em que termos o senhor defende uma reforma política?
 
MAM - Defendo com regras rígidas. Temos hoje o fundo partidário, que recebe verbas públicas e dá um respaldo incrível aos partidos e às candidaturas. Hoje temos os horários ditos gratuitos de propaganda eleitoral, mas que todos nós contribuintes pagamos porque as empresas creditam quanto ao espaço ocupado. Penso que deveríamos partir para o financiamento estritamente público, mas com regras muito rígidas para o caso de se ter aporte do recurso da iniciativa privada.
 
Agora, isso passa por uma reforma mais profunda que talvez não atenda aos interesses daqueles que já se acostumaram com o financiamento privado. Sei da situação de um grande homem público, que foi governador de um estado da federação, retirou-se da política justamente por isso. Para se candidatar – por último tinha mandato de deputado federal –, ele precisava de um numerário substancial para repassar aos prefeitos correligionários sob pena de o prefeito apoiar a facção contrária.
 
- Tinha de comprar os prefeitos?
 
MAM - Sim, sim, pois é. Mas ele, um homem ético, até meu colega da área do Direito, foi professor universitário, sentia-se constrangido de passar, não o pires, mas o prato para arrecadar numerário. Deixou a política e perdemos um varão da República.
 
- O senhor não quer falar o nome dele?
 
MAM - Não, posso falar. É o ex-deputado Roberto Magalhães, que foi governador do estado de Pernambuco. As coisas boas a gente deve dizer. São boas no tocante ao perfil dele, que é exemplar. E não eram boas em relação aos prefeitos que botavam a faca no pescoço dele para sua futura reeleição.
 
- Em relação à Ficha Limpa, não tem faltado do poder público um pouco mais de energia para fazer valer algo que foi tão bem recebido pela população?
 
MAM - Não. Tem havido até exageros. Fui vencido aqui e não se observa sequer a jurisprudência do Supremo, adotando aí uma postura de uma rebelião democrática e republicana no TSE. Pensa-se em consertar o Brasil, com ‘c’ e com ‘s’, não de forma prospectiva, mas considerando o passado. Ou seja, toda lei é editada para apanhar atos e fatos futuros. A lei visa à segurança jurídica, saber o que pode acontecer ou não na vida gregária. Passaram a aplicar a Lei da Ficha Limpa a atos e fatos passados, inclusive não observando decisões da própria Justiça Eleitoral. Tivemos casos no TSE em que, com o título judicial declarando uma inelegibilidade, segundo a legislação da época da prática, à margem da lei, por três anos. De repente se diz, não, agora não são mais três anos, mas oito anos. Com isso, acaba-se desacreditando a própria lei.
 
- Isso aconteceu com quem, por exemplo?
 
MAM - Foi a situação, por exemplo, de Jader Barbalho. Não estou defendendo o cidadão. Estou dando o exemplo. Ele renunciou ao mandato em 2001. Esse ato de vontade pode agora, sob o ângulo das consequências jurídicas, ser apanhado por uma lei de 2010. Foi quando discutimos no plenário do TSE, e um colega que não me acompanhou quando enfrentamos a matéria no campo administrativo, indagou: o cliente procura o advogado e diz que quer renunciar. “Quais são as consequências do meu ato?”. Ao que responde o advogado: “Você perde o cargo, as prerrogativas do cargo”. Aí disse, não, ministro. O advogado tem de ter premonição, imaginar a possibilidade de uma lei futura e dizer que ele pode ter o ato apanhado por essa lei. A questão, que bateu aqui no Supremo, foi solucionada, mas porque a situação jurídica era muito favorável.
 
Ante a anterioridade [princípio segundo o qual uma lei que muda normas de eleições só pode valer no ano seguinte em que ela é publicada], a lei que modifica o processo eleitoral não se aplica, pela Constituição, a eleições que ocorram até um ano após. Pelo princípio da anterioridade, Jader Barbalho teve mantido o mandato, porque se disse que a lei era de junho de 2010, portanto, não se aplicava às eleições de outubro. Mas se indaga, a prevalecer essa ótica do TSE, se nós não temos exercendo mandato um inelegível? O inelegível está com os direitos políticos suspensos, mas continua no mandato. Ele ainda tem quatro anos de mandato.
 
No caso de Jader, ele tem pendências judiciais no Supremo que remontam desde os anos 80. Há coisas antigas que não são julgadas. Como ele, mais de 200 políticos têm acusações criminais no Supremo. Como resolver isso?
Isso deveria acabar. Não é republicana a prerrogativa de foro. Bill Clinton [ex-presidente dos Estados Unidos], quando teve o problema com a estagiária, foi julgado pelo júri em primeira instância. Sou terminantemente contrário à prerrogativa de foro. Por quê? Qual é o móvel? Defender em si, ou proteger o cargo? O cargo pode ser muito bem ocupado por outra pessoa. E a ação penal nunca é contra o cargo, mas contra a pessoa.
 
 - A argumentação, na Constituinte, era de que se fazia necessário defender o mandato de uma eventual represália de um juiz…
 
Não posso considerar os casos excepcionais. Quem opta pela magistratura opta por uma missão e julgo os colegas pela ciência e consciência. Mas no caso de uma perseguição, há um órgão revisor, o Tribunal de Justiça. Em Brasília tem o STJ e a última trincheira da cidadania que é o Supremo. Recorra, comprove que a ação penal foi proposta em retaliação, sem uma justificativa aceitável e segura.
 
- Com essa prerrogativa de função, passamos muitos anos desde a Constituição até 2012, ano da primeira condenação pelo Supremo. Por quê?
 
Com a Constituição de 1988, havia uma cláusula que condicionava a ação penal à licença da Casa. O Supremo pedia a licença, eles diziam não, e aí ficava paralisado o processo. Por isso que temos coisas velhas, porque o processo ficava suspenso, não era sequer instruído. Só uma emenda constitucional, depois, mudou isso.
O senhor disse que o eleitor se informal mal, encara o ato de votar como se fosse uma coisa chata e uma obrigação. Ele parte da presunção de que se o político é candidato ele está limpo, não?
Não é bem assim. O candidato fica na telinha. Ele tem visibilidade quanto à percepção. E o eleitor, meu deus do céu, se perguntar a ele dois ou três meses após a eleição em quem ele votou, não vai saber. Então foi um ato irresponsável e é o que ocorre. Comparece-se apenas porque, deixando-se de votar, tem uma multa que, por sinal, é irrisória e fica impedido de tirar quitação eleitoral necessária à obtenção de documentos e à chegada a um cargo público.
 

 
E como se resolve esta situação?
 
 MAMEducação. Não podemos de um dia para o outro tornar o Brasil uma Suécia. Mas precisamos avançar, cuidar da educação do povo brasileiro.
 
-  Fora dessa mudança educacional, o senhor não vê nenhum atalho?
 
MAM-Vejo  uma incidência da lei. Mas o Judiciário Eleitoral não atua de ofício. A nossa atuação é vinculada e depende da provocação de um antagonista, de um partido opositor, de um candidato opositor ou então do Ministério Público ou um fiscal da lei.
 
- Isso  na esfera eleitoral. E na criminal?
 
MAM - Na esfera criminal, nós não podemos partir para o justiçamento. Então vamos construir um paredão na Praça dos Três Poderes e fuzilar quem tenha claudicado na arte de proceder na vida gregária. O processo tem de ser construído, há uma legislação a ser respeitada e que encerra o direito de defesa, que é um direito constitucional. Não dá pra levar de cambulhada. Não dá para partir para o justiçamento. E mesmo há um aspecto a ser considerado: o chicote muda de mão. Já dizia Machado de Assis que a melhor forma de ver o chicote é tendo o cabo à mão. Paga-se um preço por se viver em um Estado republicano e em uma democracia. E é módico, qual é o preço? Está ao alcance de cada um de nós, o respeito irrestrito ao arcabouço normativo, à legislação regedora da espécie.
 
-  Mas contingente grande da população brasileira entende que esse preço está muito alto. A qualidade dos nossos políticos não é algo que satisfaça…
 
E vamos consertar tudo com novas normas, potencializando o formol, sem levar em conta o conteúdo? Não precisamos de novas leis no Brasil, nós precisamos de homens que respeitem as existentes e, principalmente, de homens públicos. E não respeitando, o cidadão deve estar atento e não conferir a ele um novo mandato, se é que obteve um anteriormente.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Atualizado em ( 17-Abr-2014 )
 
Pesquisa Vox Populi garante que Dilma segue favorita para vencer no 1º turno
17-Abr-2014
dilma_na tv.jpg
 A presidenta Dilma Rousseff (foto) se manteve estável na corrida pela reeleição e venceria no primeiro turno, oscilando um ponto negativo em abril em relação a fevereiro, conforme pesquisa Vox Populi/ Carta Capital.

De acordo com a pesquisa, realizada entre os dias 6 e 8 de abril, ela aparece como a pré-candidata favorita de 40% dos eleitores. Juntos, os adversários somam 26% das intenções de voto.

O cenário da sucessão presidencial praticamente não sofreu alteração nos dois últimos meses, apesar do mau humor com a economia e da crise na Petrobras. A oposição e a base aliada do governo têm duelado no Congresso por conta de pedidos de CPIs para apuração denúncias de irregularidades envolvendo a estatal.

Pré-candidato do PSDB, o senador Aécio Neves também oscilou um ponto para baixo. Em fevereiro, ele era lembrado por 17% dos eleitores. Aparece com 16% na nova pesquisa. Ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), que anunciou na última segunda-feira a ex-senadora Marina Silva como a pré-candidata a vice em sua chapa, soma 8%. Ele tinha 6% dois meses atrás. O pastor Everaldo Pereira, pré-candidato do PSC, tem 2%.

Os pré-candidatos Levy Fidelix (PRTB), Randolfe Rodrigues (PSOL), Eymael (PSDC) e Mauro Iasi (PCB) não pontuaram. Votos brancos ou nulos somam 15%. O número de eleitores que não sabem em quem votar ou que não responderam a pesquisa é de 18%. O instituto Vox Populi ouviu 2.200 eleitores em 161 municípios. A margem de erro é de 2,1 pontos percentuais. A campanha eleitoral só estará liberada a partir de 6 de julho.

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Atualizado em ( 17-Abr-2014 )
 
Mais de três mil policiais reforçam a segurança no feriadão
17-Abr-2014
op_semanasanta.jpg
 A Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social lançou, na tarde desta quarta-feira (16), a operação semana santa, que conta com 3.300 policiais militares, civis e bombeiros militares para reforçar a segurança no feriado prolongado, nas 223 cidades paraibanas.

Para o policiamento ostensivo, a polícia militar empregará 500 policias a mais por dia, sendo 200 na região metropolitana de João Pessoa, 150 na região de Campina Grande e 150 na região do Sertão. Entre as medidas preventivas, está a realização de bloqueios policiais e abordagens a pessoas, veículos e ônibus em pontos estratégicos.

De acordo com o subcomandante geral da PM, coronel Almeida Rosas, além do reforço todo efetivo estará empregado no período. “Por ser um feriado prolongado a Polícia Militar estará empenhada para garantir a segurança do cidadão, utilizando para isto todos os recursos necessários”, afirmou.

Para recepcionar as ocorrências, delegacias funcionarão em regime de plantão. Só em João Pessoa, sete estarão abertas durante 24 horas, todos os dias: 1ª DD (Cruz das Armas), 9ª DD (Mangabeira), Distrito Integrado de Segurança Pública (Disp), em Manaíra, além das Delegacias Especializadas da Mulher; da Infância e Juventude (que irá atender também ocorrências de crimes contra a infância e juventude); Delegacia de Crimes contra a Pessoa (Homicídios) e de Crimes contra o Patrimônio (Roubos e Furtos).

Nas áreas de fluxo de turista e eventos religiosos o policiamento também será intensificado, assim como nas praias. Nas rodovias estaduais a Companhia de Policiamento Rodoviário Estadual (CPRv) estará realizando blitzen intinerantes, em horários e locais alternados, durante todos os dias.

Bombeiros – Nas praias paraibanas o Corpo de Bombeiros vai disponibilizar um efetivo de 275 pessoas, sendo 55 por dia, para o trabalho de busca, salvamento e prevenção aquática.

Segundo o subcomandante do Batalhão de Busca e Salvamento Cabo Branco, capitão Lincoln Vieira, serão disponibilizadas três embarcações. “Em outras cidades do Estado, o Corpo de Bombeiros terá efetivo de plantão nas atividades de resgate e combate e incêndios”, completou.

Delegacia on line - Ocorrências simples a exemplo de extravios de documentos e pequenos furtos, em que não haja violência, podem ser comunicados à polícia pela internet. De forma rápida e simples, o usuário de qualquer lugar do Estado pode acessar a Delegacia Online e fazer o Boletim Eletrônico de Ocorrência. O serviço tem o objetivo de melhor atender à população, desafogando o atendimento nas delegacias distritais.

O acesso à Delegacia On Line está disponível através do endereço eletrônico www.delegaciaonline.pb.gov.br. Ou ainda através da página interna da Secretaria de Segurança no Portal do Governo do Estado (www.paraiba.pb.gov.br).

Seja o primeiro a comentar este artigo.

Atualizado em ( 17-Abr-2014 )
 
<< Início < Anterior | 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 | Próximo > Final >>

Resultados 1 - 14 de 3226

Frase do dia

  "Se depender de mim, não tem rompimento"

Do governador Ricardo Coutinho ,em Campina, sobre rumores de rompimento dele com o senador Cássio Cunha Limarites


 

 

Busca

DataBaby

Qual Seleção ganhará a Copa do Mundo de 2014?
 

Arquivos

 Mar   Abril 14   Mai

DSTQQSS
   1  2  3  4  5
  6  7  8  9101112
13141516171819
20212223242526
27282930 
ASIC Technology
http://www.blogdogeovaldo.com.br/images/stories/twitter.png http://www.blogdogeovaldo.com.br/images/stories/facebook.png
Agencia Virtual
blank
FIEP
Gráfica Marcone